Rali da Austrália – Resumo Citroën

Terminar a temporada em ascenção

O Citroën Total Abu Dhabi WRT assegurou, na Austrália, aquele que foi o seu quinto pódio da presente temporada, desta vez fruto da prestação de Mads Østberg e Torstein Eriksen, dupla que voltou a demonstrar a boa forma da equipa durante a segunda metade do campeonato.

A HISTÓRIA DO RALI
Mads Østberg cresceu habituado às vertiginosas estradas da Escandinávia, pelo que não é de estranhar o gosto especial do piloto norueguês por ralis disputados em estradas rápidas e fruídas, como é o caso do Rali da Austrália. Apesar de ausente das competições desde o Rali de Gales GB, naquela que foi a sua última participação no WRC, o norueguês não perdeu tempo em mostrar a todos as suas capacidades, ao assumir o comando da prova depois de registar o melhor tempo na 3ª Especial do rali (Sherwood, 26,68 km), a mais longa da Etapa de sexta feira, liderança que manteve até ao final do dia.

A 1ª Etapa ficou também marcada pela impressionante performance de Craig Breen. Segundo mais rápido, logo atrás do seu colega de equipa, na primeira passagem por Sherwood, o irlandês seria mesmo o mais rápido na segunda passagem por esse mesmo troço, confirmando, assim, o inegável equilíbrio do C3 WRC neste tipo de piso, de difícil reprodução em solo europeu. Sendo um talentoso ex-piloto de karting, Craig voltou a demonstrar a sua fibra nas duas passagens pela Super Especial, maioritariamente em alcatrão, chegando ao fim da 1ª Etapa na 2ª posição à Geral.

Infelizmente, no início da 2ª etapa, o rali tomaria outro rumo: primeiro, foi um ligeiro problema com o acelerador sempre aberto, depois, um pequeno erro de condução que teve elevados custos, pois danificou a suspensão traseira do carro, atirando o piloto irlandês para o 10º lugar. Enquanto isso, Østberg tentava manter os seus rivais à distância, acabando por perder a liderança após a terceira Especial (ES11) da 2ª Etapa. Apesar de cumprir a sua primeira passagem pela Super Especial (ES17) à chuva, o que não aconteceu com os seus rivais mais diretos na corrida pelo pódio, a sua persistência e empenho foram recompensadas e, no final da 2ª Etapa (sábado), mantinha-se a um passo pódio.

Ocupando o 4º lugar, estando a apenas 20,3 segundos do piloto que o antecedia, Østberg tinha pela frente a probabilidade de encontrar muita chuva durante a última Etapa, o que aumentaria substancialmente as dificuldades nos troços. As condições meteorológicas difíceis e traiçoeiras acabaram com as esperanças de dois dos candidatos ao título, mas o piloto norueguês, à vontade com o seu C3 WRC em pisos que mais pareciam pistas de gelo, soube manter a calma. Começou por colocar-se fora do alcance de qualquer ataque por parte do seu rival mais direto e depois beneficiou de um incidente em prova que, na penúltima Especial, lhe permitiu subir ao 3º posto.

Østberg garantia assim o seu segundo pódio do ano, após o 2º lugar alcançado na Finlândia. O seu desempenho permitiu à Citroën Total Abu Dhabi WRT terminar um rali entre os três primeiros pela quinta vez nesta temporada, depois dos pódios registados na Suécia (2º), México (3º) e Finlândia (2º), a que se somou a vitória em Espanha. Por sua vez, Craig Breen e Scott Martin terminavam o rali na 7º posição.

TRÊS PERGUNTAS A PIERRE BUDAR, DIRETOR DA EQUIPA CITROËN RACING

Como avalia esta última prova da temporada?

“Estamos, naturalmente, satisfeitos com mais este pódio, que surge logo a seguir à nossa vitória em Espanha. Vale a pena destacar que fizemos uma excelente 1ª Etapa, tirando o máximo partido dos nossos lugares da ordem de partida para a estrada, com os nossos carros a ocupar os dois primeiros lugares no final do primeiro dia. Embora as coisas não tenham corrido particularmente bem no sábado, com alguns erros de pouca importância, o Mads conseguiu, mesmo assim, manter-se a um passo do pódio. No domingo, tendo em conta o tipo de Especiais e as previsões meteorológicas, sabíamos que tudo podia acontecer durante a última Etapa. Embora as traiçoeiras condições de condução tenham afastado diversas equipas da prova, o Mads mostrou-se confiante no C3 WRC, apresentando uma performance extremamente sólida que lhe garantiu o 3º lugar. Penso que é o mínimo que a equipa merecia. Toda a equipa esteve impecável, apesar do fuso horário de 10 horas, o que é sempre difícil de superar.”

Que análise faz desta temporada?
“É óbvio que tivemos a nossa dose de altos e baixos. Diria que a segunda metade da temporada correu bem melhor, com os pódios conquistados na Finlândia (2º) e aqui, mais a nossa vitória em Espanha. Na verdade, gostava de aproveitar esta oportunidade para agradecer, do fundo do coração, ao Mads e ao Torstein, bem, como ao Craig e ao Scott, por tudo o apoio prestado esta temporada. Deram sempre o seu máximo e contribuíram substancialmente para que as coisas dessem a volta na segunda metade da temporada. Este ano também serviu para fortalecer a nossa ligação. Estabeleceu-se uma tendência de fundo na forma de trabalho da equipa e isso permite-nos encarar 2019 com uma mentalidade mais confiante e descontraída. Embora ainda estejamos a passar por um processo de transformação, que implica trabalhar a fundo e melhorar ainda mais as coisas, tudo está gradualmente mais organizado e, decididamente, a avançar na direção certa.”

2019 está mesmo a chegar…
“É verdade, não vamos abrandar e temos já muito trabalho pela frente. Assim que regressarmos à Europa, vamos preparar sessões de testes com as nossas novas equipas, para que comecem a conhecer o C3 WRC e, assim, dar continuidade ao seu desenvolvimento. Já sabíamos há algum tempo que iríamos trabalhar em conjunto, mas é agora que tudo vai começar. Para toda a equipa, trata-se de mais uma enorme fonte de motivação!”

EM DESTAQUE…
Na sexta feira, a Citroën Total Abu Dhabi WRT viveu a Etapa perfeita, com os seus dois C3 WRC na liderança à Geral , o que aconteceu pela primeira vez nesta temporada.

Saindo para a estrada na 8ª e 11ª posição e com o tempo a manter-se seco, Craig Breen e Mads Østberg estavam muito bem posicionados para alcançar um bom resultado nas estradas australianas, à medida que ficassem significativamente mais limpas. Os pilotos da Citroën não eram os únicos nesta situação mas foi o piloto norueguês que surgia no comando da prova ao fim da tarde de sexta-feira, imediatamente seguido pelo seu colega de equipa irlandês, a apenas 6,8 segundos. A prestação desta dupla de pilotos no rali australiano comprovou o seu nível competitivo, bem como o dos seus próprios carros.

O desempenho da equipa foi ainda mais impressionante pelo facto de Østberg ter estado no comando em cinco das oito Especiais da 1ª Etapa, reflexo da sua consistência entre os pilotos da frente. Por seu turno, Breen ia subindo gradualmente na classificação, colocando-se no 3º posto, depois de ter sido o mais rápido na segunda passagem por Sherwood (26,68 km), a Especial mais longa do dia. O jovem irlandês manteve a sua boa forma nas duas últimas Super Especiais, terminando o dia no 2º lugar da Geral.

 

Fonte: Jorge Magalhães

Visite-nos também em TTVerde.PT
Facebook
Facebook
YouTube
YouTube